12 empresas famosas que faliram

Escândalos financeiros, más estratégias de negócio entre outros motivos estão por detrás da falência destas 12 empresas famosas e ricas.

Blockbuster

A blockbuster é um empresa que se dedicava ao aluguer de filmes e videojogos. Era uma empresa norte americana que se expandiu para vários países. A empresa foi afetada por disputas internas, tendo o antigo CEO John Antioco se demitido.

Com o lançamento e crescimento da Netflix a nível mundial, a blockbuster foi à falência. A empresa entrou em insolvência em 2010, pelo facto de não acompanharem o curso da inovação e das novas tecnologias.


Kodak

Foi em 1975 que a conhecida Kodak lançou a sua primeira câmera digital. O mundo da fotografia tem avançado e vindo a sofrer várias transformações ao longo dos últimos anos. E a Kodak manteve-se no negócio tradicional na revelação de fotos.

Com a chegada do Facebook e com a sua compra milionária ao Instagram, o facto de não ter acompanhado a evolução tecnológica colocou a Kodak à beira do fim. Desde então a empresa tem tentado reinventar-se, e em 2016 lançou um smartphone, mas está muito longe dos tempos de sucesso.


DeLorean Motor Company

DeLorean Motor Company é uma fabricante de automóveis criada em 1975. A primeira fábrica foi construída na Irlanda do Norte com financiamento do governo britânico e os primeiros carros na linha de montagem começaram a ser fabricados em 1981.

Em 1982 o fundador da empresa foi preso por tráfico de droga e foi posteriormente absolvido, tendo a empresa decaído nesse mesmo ano.


Pan American World Airways (Pan Am)

A Pan American World ficou conhecida como a maior transportadora aérea dos Estados Unidos, tendo-se sempre destacado pelas inovações e métodos de reserva informatizados.

A companhia aérea chegou à falência devido a vários motivos, um deles foi uma bomba num voo que ligava Londres a Nova Iorque e que resultou na morte dos 259 passageiros a bordo da aeronave.

O aumento no preço do combustível e o aparecimento de mais concorrência levaram a empresa ao declínio. A perda de mercado e a escassez de financiamento ditaram o fim da empresa, que não teve outra hipótese senão cessar as operações.


PaineWebber

A PaineWebber foi fundada em 1880 por William Alfred Paine e Wallace G. Webber. Esta é uma empresa de corretoria americana que se viu envolvida num escândalo de fraude em 1930, tendo sido até aos anos 80 uma das mais poderosas empresas dos EUA.

Com 161 filiais em 42 estados norte-americanos e seis escritórios na Ásia e Europa, a PaineWebber adquiriu a corretora J.C Bradford & Co. por 527 milhões de euros em 2000 mas esta fusão não trouxe ganhos à empresa. Em novembro do mesmo ano, a empresa concluiu uma aliança com o UBS AG, por 9,2 mil milhões de euros. Em 2003 a marca com 123 anos, desapareceu para dar lugar ao UBS Wealth Management USA.


Eastern Airlines

Conhecida como uma das quatro grandes companhias mundiais, triunfou até aos anos 1970, quando a lei da desregulamentação do transporte aéreo empurrou a empresa para uma espiral descendente.

A lei que trouxe o mercado livre ao setor da aviação comercial nos EUA fez com que o governo deixasse de controlar as tarifas aéreas ou a entrada de novas companhias e/ou rotas. Em 1989 a Eastern declarou falência e foram necessários mais de 42 milhões de euros para indemnizar os clientes.


Enron

Enron Corp. passou por tudo. Quando faliu era uma das maiores empresas dos EUA e dava emprego a 22 mil pessoas. As razões para a queda eram: fraude fiscal e corrupção.


Arthur Andersen

Um escândalo de obstrução à justiça levou a empresa de contabilidade à falência. Esse escândalo estava ligado ao Enron.

O envolvimento neste escândalo trouxe inúmeras perdas para os acionistas e custou milhares de postos de trabalho. Contudo, a empresa continuou como uma holding onde realizava poucas operações.


Woolworth’s

Foi a primeira cadeira norte-americana a vender produtos com o preço fixo de cinco e dez cêntimos. Abriu as portas em 1878, em Lancaster, Pensilvânia.

O aparecimento dos grandes centros comerciais conduziram o negócio à ruína. No primeiro trimestre de 1997, prejuízos operacionais na ordem dos 20 milhões de euros a juntar a uma perda de 31 milhões em 1996, tornaram impossível reverter o cenário de falência.


Foot Locker

Foot Locker uma rede de calçado desportivo que todos conhecemos, originária dos Estados Unidos e fundada em 1979.

A crise financeira em 2007 fez com que a empresa tivesse de fechar as portas de mais de 250 lojas. A empresa teve necessidade de reformular o seu conceito, principalmente no que diz respeito à exposição dos produtos. Hoje em dia a empresa ainda se encontra a operar, mas perdeu muito do seu mercado para os seus principais concorrentes.


Borders

A Borders sempre foi um negócio de família que começou no estado do Michiganm, nos Estados Unidos e perdurou durante mais de 40 anos. Foi fundada em 1971 pelos irmãos Tom e Louise Borders. Nesse mesmo ano foram abertas mais 21 livrarias. A empresa foi vendida à cadeira Kmart em 1992, por cerca de 106 milhões de euros. A Kmart continuou a expandir o império dos livros ao longo dos anos 90.

Infelizmente a popularidade das livrarias diminuiu significativamente com o aumento da popularidade das compras online e a Borders sentiu isso na pele. Em 2011, a primeira loja, em Ann Arbor, fechou as portas e a empresa declarou falência.


WorldCom

A WorldCom conhecida como a segunda maior empresa de telefones fixos dos Estados Unidos. O fundador e CEO da empresa, Bernie Ebbers juntamente com outros funcionários da empresa, adulterou as contas da empresa e inflacionou os ativos da companhia em mais de 9 mil milhões de euros.

Foram perdidos mais de 30 mil postos de trabalho e os investidores perderam cerca de 153 mil milhões de euros. A empresa fundiu-se com a MCI Communications para tentar limpar a sua imagem.


A grande maioria destas empresas foram à falência devido à falta de inovação tecnológica e a falta de acompanhamento desta evolução tecnológica, mantendo modelos de negócio tradicionais que se tornaram obsoletos.