Porque tenho de fazer retenção na fonte todos os meses ?

Retenção na fonte: O que significa e quais as tabelas de retenção nos salários

Todos os meses fica sem receber parte do seu salário por causa da retenção na fonte. Saiba porque tem de fazer este desconto e, além disso, qual a percentagem de ordenado a entregar nas tabelas de retenção na fonte em 2020

Adaptando um verso bastante famoso, “os impostos são uma constante da vida”, já que existem múltiplos impostos que tem de pagar todos os anos. Um dos mais famosos descontos no salário é a retenção na fonte. Esta parcela de ordenado fica retida para pagar o Imposto Sobre Rendimentos, também conhecido apenas por IRS.

Como há muitas dúvidas em redor desta obrigação, a Comparamais indica-lhe agora o que significa este desconto do ordenado. Além disso, também lhe mostramos como ele é calculado e quais as tabelas de retenção na fonte de 2020…

O que é a retenção na fonte?

A retenção na fonte é uma percentagem de ordenado que fica todos os meses com o seu patrão, que tem a obrigação de entregar este montante ao Estado.

Veja também: Como abrir atividade nas finanças

Como no final do ano tem de declarar o seu IRS, a retenção na fonte é então utilizada pagar pagar uma parte (ou a totalidade) do imposto que tem sobre os seus rendimentos. Por isso, ela é considerada como um mecanismo de substituição tributária, porque substitui o pagamento do imposto de uma só vez

A retenção na fonte não é um imposto, é um adiantamento mensal do seu salário. Ele serve, no entanto, para pagar menos de IRS no final do ano.

Porque existe retenção na fonte?

Há uma razão muito clara para que seja feita a retenção. Imagine, por exemplo, alguém que ganhe 1000€ mensais.

Com 14 ordenados (subsídios incluídos), se tivesse uma taxa de IRS de 10%, no final do ano teria de pagar 1400€ sobre os 14000€ que recebeu. E é precisamente aqui que entra a retenção na fonte.

Aprenda a calcular o seu salário líquido

Se esta pessoa “adiantar” 100€ do imposto em todos os salários, ao final do ano teve 1400€ já pagos do seu IRS. Ou seja, já não tem de pagar mais nenhum imposto.

A retenção na fonte funciona como “adiantamento” do IRS que teria de pagar ao final do ano, evitando que tenha de entregar o valor todo de uma vez.

O que tem impacto no cálculo da retenção?

Para que seja definida a percentagem do salário a reter entram em cena quatro factores. Em primeiro lugar será o seu salário, já que quanto mais receber maior a percentagem. Isto acontece porque, no sistema fiscal português, quem recebe mais terá de pagar mais IRS.

Além disso, também o estado civil e o número de filhos tem impacto no cálculo da retenção na fonte. Ou seja, quem seja casado ou unido de facto, e quem tenha filhos terá uma incidência de imposto mais baixa. E, por isso, tem de reter menos imposto.

Por fim, o grau de deficiência dá direito a tabelas mais vantajosas de IRS e, por consequência, de retenção na fonte. Como tal, também os cidadãos com atestado multiusos e mais de 60% de incapacidade têm uma percentagem menor de imposto retido.

Quais as tabelas de retenção na fonte 2020?

Todos os anos o governo atualiza as tabelas de retenção na fonte, já que elas devem refletir o impacto da inflação e outras alterações na economia. Veja aqui as tabelas de retenção na fonte em 2020, para que saiba qual a percentagem do salário que deve entregar todos os meses.

Quer pedir a reforma em 2020? Veja aqui tudo o que precisa

Onde e como declarar o imposto retido?

O local onde surge a retenção é a declaração de rendimentos. Mas, como o valor é inserido automaticamente na declaração de IRS, não precisa de fazer nada para que ele seja incluído.

Como é devolvido o valor que pago a mais?

Como é do conhecimento geral, as pessoas podem no final do ano ter de pagar mais imposto. Mas, pelo contrário, pode acontecer o que se chama de “receber do IRS”. Na verdade não está a receber nada, apenas lhe é devolvido o valor que pagou a mais ao longo do ano.

Isto acontece porque o total retido no salário, em conjunto com os descontos que acumulou através da validação das faturas no e-fatura e outros benefícios fiscais, supera o total de imposto a pagar. Ou seja, acabou por dar mais dinheiro para o IRS do que aquele devido pela taxa de imposto.

Como tal, quando recebe do IRS o que acontece é simplesmente a devolução de parte do montante que pagou a mais de retenção na fonte e das deduções à coleta, em comparação com o imposto que tinha de pagar.

Posso ficar dispensado de entregar este valor?

Existem alguns casos em que é possível ter isenção de retenção na fonte, uma vez que o Artigo 101º-B do CIRS contempla essa hipótese. Alguns dos casos em que pode dispensar esta obrigação em 2020 são:

  • Rendimentos da Categoria B e da Categoria F (por exemplo, recibos verdes ou rendas) inferiores a 12500€ anuais, desde que também não tenha superado este valor no ano anterior;
  • Capitais obtidos da Categoria E, desde que o valor de cada retenção seja inferior 5€;
  • Rendimentos no estrangeiro já alvo de retenção no país de origem (para que não exista dupla tributação)

Veja também:

Como calcular as mais valias na venda de imóveis
Isenção do IMI? Descubra se tem direito…

Crédito Pessoal Cofidis

€ 252,97 Prestação
10,116% TAEG
7,90% TAN
Montante €5.500,00
Período 24 meses
Prestação €252,97
TAN 7,90%
TAEG 10,12%
MTIC €6.071,34
  • Sem comissão de abertura;
  • Prazos, taxas e mensalidades fixas;
  • Isento de comissão de amortização antecipada;
  • Seguro de proteção ao crédito (facultativo);
  • Montantes entre 5.000€ a 50.000€ e prazos de 24 a 84 meses.