Covid-19 reduziu os consumos de luz e gás em Portugal

Consumo de energia na Covid-19 sofre queda em Portugal

A ERSE analisou o consumo de energia na Covid-19 em Portugal e concluiu que, mesmo com os preços da luz a caírem, se verificou uma quebra nos consumos de luz e gás durante a pandemia.

Com a pandemia a obrigar ao confinamento, esperava-se que os portugueses pudessem aumentar os seus consumos de energia. No entanto, apesar de se verificarem mais gastos de eletricidade nas residências, a ERSE concluiu que o consumo de energia na Covid-19 sofreu, a nível glonal, uma quebra em Portugal.

Os dados mostram como a forte redução da atividade económica, especialmente nos meses de confinamento, teve um impacto negativo no mercado. Mas nem tudo foram más notícias. Uma vez que os produtos petrolíferos também caíram nos mercados internacionais, o preço da produção da eletricidade e gás também foi inferior ao ano anterior. E chegou a ser menos de metade do que se verificava em 2019.

Consumo de Energia na Covid-19 – Queda de 6% na eletricidade

Nos dados que a ERSE apresentou destacam-se, em primeiro lugar, as quebras nos consumos de energia no mercado livre e regulado, que são transversais a praticamente todos os sectores. No entanto, em consequência do confinamento, verificou-se um ligeiro crescimento nos consumos para Baixa Tensão Normal, categoria que engloba os clientes residenciais.

Quebra do consumo de eletricidade no primeiro semestre de 2020
Sector% Consumo GlobalQuebra Consumo
Alta Tensão e
Muito Alta Tensão
21%-6%
Média Tensão32%-11%
Baixa Tensão Especial7%-19%
Baixa Tensão Normal
(residências)
39%+1 a 2%

Já que a indústria e os pequenos negócios se encontram, principalmente, nos segmentos de Média Tensão e Baixa Tensão Especial, verifica-se que a redução no consumo de energia na Covid-19 é mais expressiva nestes sectores. Ao longo do primeiro semestre a redução do consumo de energia na Covid-19 foi de 6% para a eletricidade.

Preços da eletricidade também caíram

Uma das efeitos da pandemia foi a quebra nos preços dos produtos petrolíferos. E, por consequência, também os custos da produção de energia sofreram uma descida. A descida no custo de produção de eletricidade chega aos 50% em comparação a 2019.

Veja aqui: Como fazer uma reclamação do serviço de eletricidade

No trimestre entre abril e junho de 2020 o custo médio da produção de eletricidade foi de 23,26 €/MWh. Isto representa uma descida de 33% em comparação ao primeiro trimestre de 2020. Além disso, produzir eletricidade em tempos de pandemia custou metade do que custava no ano passado.

Tendo em conta que em 2018 os preços eram ainda maiores, isto significa que os preços de produção de eletricidade estão em queda nos últimos anos. Esta é uma descida que pode trazer benefícios aos portugueses, já que basta escolher um fornecedor de eletricidade mais barato para poupar na sua fatura.

94.000 cortes de luz em seis meses

Mesmo com os cortes de luz proibidos a partir de março e outras medidas de proteção ao consumidor, ainda assim verificaram-se 94.000 interrupções dos serviços durante a primeira metade de 2020. Embora estes números se reportem apenas ao período entre janeiro e março, há que destacar que eles são uma boa notícia. Afinal, significam que os cortes de fornecimento tiveram uma queda de 20,6% em relação ao período homólogo.

Veja também: Como cancelar o contrato de eletricidade

Consumo de Energia na Covid-19 – Menos 9% no gás

Tal como acontece com a eletricidade, também no gás há um impacto negativo da pandemia nos consumos. E, novamente, verifica-se que é no sector empresarial que estão as principais quebras. Nos clientes de alta pressão, mais associados à Indústria, a quebra semestral foi de 13%.

Os dados relativos ao consumo de energia na Covid-19 são menos negativos na baixa e média pressão de gás, com uma descida de 8%. No entanto, os números do período de confinamento mostram bem o impacto da pandemia, com uma descida de 19% em abril. A Comparamais mostra-lhe agora quão grande foi a quebra, consoante os consumos anuais para diferentes tipos de clientes.

Quebra do consumo de gás no primeiro semestre de 2020
ConsumidoresNíveis de consumoQuebra no Consumo
Grd. Consumidores+ 1 Milhão m3/ano-9%
Industriais10.000 m3 até 1M m3-4%
Pequenos Negócios500 m3 ate 10.000 m3-9%
Residenciais– 500 m3/ano-7%

Ao contrário da eletricidade, no gás natural verifica-se uma queda em todos os segmentos do mercado. Algo curioso, já que com o confinamento havia a possibilidade de aumento dos consumos de gás nas casas particulares.

Analisando os consumos globais de gás natural no semestre, verifica-se uma queda de 9%. Mas para estes valores há que considerar dois períodos completamente diferentes. Embora no primeiro trimestre os dados não sejam impactados pela Covid-19, nos meses de abril, maio e junho a quebra nos consumos foi de 13%, 28% e 13%, respetivamente.

Por esse motivo, a ERSE concluiu que “as quebras globais de consumo de gás natural são mais expressivas que na eletricidade e a retoma dos consumos mais lenta”.

Preços do gás natural também caíram

Se na eletricidade já se notava o impacto da queda dos produtos petrolíferos nos custos de produção, isso é ainda mais evidente no gás natural. Por isso, verifica-se uma descida mais expressiva também nos preços.

Entre abril e junho o preço médio do gás natural foi de 6,41€/MWh, o que representa uma descida de 36% em comparação ao primeiro trimestre do ano. Em comparação à media de 2019, o preço do gás natural caiu 59% no segundo trimestre de 2020.

Como podem os clientes tirar partido da descida de preços?

Para os clientes, a descida nos custos de produção da energia durante a pandemia apenas pode ser obtido de duas formas. Em primeiro lugar, tirando partido de várias dicas para reduzir o consumo de energia na Covid-19.

Mas a melhor opção passa por aproveitar a descida de preços que alguns fornecedores de luz e gás estão a apresentar. É o caso, por exemplo, da Endesa e da Goldenergy. No caso da Endesa destacam-se preços muito reduzidos para a potência contratada (algo que também se verifica na MEO Energia), mas também promoções como a oferta até 50€ na adesão. Já para a Goldenergy são os baixos preços da energia, bem como os descontos até 20%, a poderem fazer a diferença na fatura.

Tanto na Goldenergy como na Endesa é possível poupar mais de 100€ por ano nas faturas de luz e gás. Quer saber qual a melhor opção para si? Descubra agora no simulador de preços de energia.