Crédito com taxa fixa ou taxa variável: qual é o que compensa?

Para pedir um crédito habitação precisa de ter em consideração vários factores, e um deles é escolher uma taxa de juro fixa ou variável. É esta a taxa que vai determinar a sua prestação mensal. A Comparamais ajuda-o a escolher a opção mais adequada para si.

Taxa fixa e taxa variável: qual a diferença?

A prestação tem uma taxa de juro que poderá ser variável (composta pelo spread, ou seja, o lucro do banco), por uma taxa mista (um período de taxa fixa, seguido de taxa variável) ou taxa fixa. 

O cálculo da taxa variável é calculada pela soma do spread e da taxa euribor – que é a média das taxas de juro praticadas em empréstimos interbancários em euros de 25 a 40 dos principais bancos europeus. Ter uma taxa variável significa que no início do contrato o banco fixa o seu spread (e este não se altera ao longo do contrato) e um indexante da Euribor. O spread e a Euribor é que vão fazer o valor da sua prestação mensal de crédito habitação. Ao ser variável, a sua taxa varia conforme varia a Euribor, ao longo do tempo.

Contrariamente à taxa variável, a taxa fixa, como o nome indica, é um valor que está sempre igual ao longo do contrato, fazendo com que a sua prestação seja sempre a mesma durante todo o seu contrato. Por norma as taxas fixas não se aplicam a créditos habitação que durem 30 ou 40 anos, mas sim 5 ou 10 anos.

As taxas mistas têm um período de taxa fixa (que corresponde normalmente aos primeiros anos de crédito, entre 1 a 5 anos) e depois o empréstimo passa a ter uma taxa variável até ao final do contrato. No início do contrato fica estabelecido qual é a Euribor e o Spread que irá ter após o final da taxa fixa.

Vantagens e desvantagens da taxa fixa

  • Vantagem: A prestação não é afetada com as flutuações de mercado, portanto se subir a Euribor não afretará a mensalidade
  • Desvantagem: Não pode beneficiar das subidas e das descidas das taxas de juro

Vantagens e desvantagens da taxa variável

  • Vantagem: Se a Euribor desce, a mensalidade desce
  • Desvantagem: Se a Euribor sobe, a mensalidade sobre

Taxa de juro fixa ou variável: qual é que compensa?

Atualmente o dinheiro está mais barato e os bancos estão a fazer mais créditos. As taxas Euribor a 3, 6 ou 12 meses estão negativas, pelo que a taxa de juro final é inferior ao spread contratado. Quando há uma subida da taxa Euribor, a sua prestação mensal também começa a subir de forma gradual, pelo que vai pagar mais pelo seu empréstimo.

Dessa forma, no cenário atual o melhor é optar por uma taxa variável.

Se mesmo assim ainda está indeciso pode optar por uma taxa mista que o ajudará na previsibilidade do pagamento e na gestão do seu orçamento familiar nos primeiros anos do contrato. Por norma as taxas de juro fixas são habitualmente superiores às taxas variáveis, ficando mais barato ter uma taxa de juro variável.

Taxa Euribor

Com a taxa euribor abaixo do zero, os spreads pedidos pelos bancos rondam os 1.2% a 2%, no qual acresce a variável Euribor a 12 meses.

Em conclusão, na escolha entre taxa fixa ou variável, é sempre preciso ter em mente quea taxa variável é volátil e o seu aumento poderá prejudicar. Não se prevê em 2019 subidas de taxas.

Mas o inverso também é verdade: se a EURIBOR se mantiver em terreno negativo, o cliente sai beneficiado. A outra opção, que é igualmente uma vantagem a considerar, é não estar preocupado e sujeito às flutuações do mercado. Cada caso é um caso.