Sobre-Endividamento - Veja o que significa e como resolver problemas por dívidas excessivas

Válter Correia

O sobre-endividamento é um problema que surge quando as pessoas, as empresas ou os países ficam com demasiadas dívidas e não conseguem suportar o peso das prestações mensais. Essa incapacidade de pagar o custo dos empréstimos causa vários riscos, que vão desde comissões e juros até processos judiciais, hipoteca de bens, penhora de salários ou a insolvência. Um bom indicador do sobre-endividamento é a taxa de esforço, já que é ela que indica o peso que os créditos têm nos seus rendimentos mensais.

Há formas de evitar o sobre-endividamento, que estão relacionadas com a gestão do orçamento mensal e com a forma como usa cartões de crédito ou faz pedidos de créditos. E há formas de saber se já está sobre-endividado, já que atrasos constantes no pagamento de prestações ou pedir um crédito para pagar outro crédito são alertas para problemas de dívidas. Se gasta mais de 50% do salário para pagar prestações de empréstimos isso significa que está com problemas de sobre-endividamento e deve procurar apoio para esta questão.

Existem diversas soluções para quem está sobre-endividado, com recurso à negociação de cada empréstimo com os bancos ou juntar todos os créditos com um crédito consolidado. Esta é a solução mais eficaz e simples para problemas de sobre-endividamento, já que tem um impacto muito grande no peso que as prestações de créditos têm no orçamento mensal.

O que é o sobre-endividamento?

O sobre-endividamento é ter mais dívidas para pagar do que rendimentos que recebe. Estar sobreendividado significa que não recebe dinheiro suficiente para pagar os empréstimos e outras obrigações que tem para pagar. Esta situação pode ocorrer a nível pessoal e também em outros casos, já que também as empresas e até os países podem ficar com problemas de sobre-endividamento.

O principal motivo para o sobre-endividamento ou endividamento excessivo é a acumulação de prestações de empréstimos e dívidas de cartões de crédito. A facilidade excessiva para obter empréstimos pode levar as pessoas ao que é designado como “espiral de crédito”, uma situação que leva ao sobre-endividamento.

Quais os riscos do sobre-endividamento?

Os riscos do sobre-endividamento são os seguintes:

  • Pagamento de comissões e juros de mora por atrasos nos pagamentos
  • Ficar com o nome registado na Lista Negra do Banco de Portugal
  • Processos em tribunal para os bancos recuperarem os valores em dívida
  • Execução da hipoteca sobre os seus bens
  • Penhora do salário e de outros rendimentos
  • Insolvência pessoal, em que declara falência pessoal

Sobre-endividamento e taxa de esforço excessiva são o mesmo?

Não, o Sobre-endividamento e a taxa de esforço excessiva são coisas diferentes. A taxa de esforço excessiva indica que gasta uma parte demasiado alta do seu salário para pagar créditos, mas o sobre-endividamento quer dizer que o dinheiro que ganha não é suficiente para pagar todos os empréstimos que contraiu.

Uma taxa de esforço excessiva é um alerta para o risco de sobre-endividamento, mas existem outros fatores que levam os clientes a entrar em endividamento excessivo.

O sobre-endividamento pode levar à insolvência?

Sim, o sobre-endividamento pode levar à insolvência pessoal. Esta situação, em que declara falência pessoal, é o derradeiro risco e consequência de estar sobre-endividado.

Como evitar o sobre-endividamento?

Para evitar o sobre-endividamento tome as seguintes precauções:

  • Nunca peça um crédito para pagar outro empréstimo (opte pelo crédito consolidado para juntar todas as dívidas aos bancos e reduzir as prestações)
  • Conheça o seu orçamento mensal, analise cada despesa e procure reduzir os seus gastos
  • Tente criar uma poupança ou fundo de emergência para pagar despesas inesperadas
  • Jogue na antecipação e, em caso de dificuldade para pagar as dívidas, fale com o banco e procure um acordo para reduzir as prestações
  • Tente reduzir os pagamentos feitos com cartões de crédito, porque têm juros mais altos

Como saber se estou com demasiadas dívidas?

Para saber se está com demasiadas dívidas, e verificar que está em risco de sobre-endividamento, verifique se cumpre os seguintes critérios:

  • Tem constantemente prestações em atraso (de créditos e de despesas de casa)
  • Está a pedir créditos para pagar créditos
  • Faz cash-advance para a conta à ordem ou pagamento de despesas com cartões de crédito
  • Deixa constantemente acumular prestações para pagar no mês seguinte
  • Tem uma taxa de esforço de crédito acima dos 50%
  • Só consegue fazer os pagamentos mínimos dos cartões de crédito (em que praticamente só liquida juros e mantém o mesmo valor em dívida)

Como calcular o nível de endividamento?

Para calcular o nível de endividamento tem de verificar para onde está a ser direcionado o seu rendimento. O cálculo do nível de endividamento é feito com a fórmula da taxa de esforço (Prestações Bancárias / Ordenado x 100).

O cálculo do nível de endividamento e a taxa de esforço estão intimamente ligadas, porque um racio excessivo da taxa de esforço indica que está sobre-endividado. Se está a gastar mais de 35% do salário para pagar créditos (tem uma taxa de esforço acima de 35%), isso significa está com um nível de endividamento excessivo. Se gasta mais de 50% para pagar créditos, está com um nível de endividamento preocupante e está já sobre-endividado.

Existem apoios para clientes sobre-endividados?

Sim, existem apoios para clientes sobre-endividados, que pode pedir apoio à RACE (Rede de Apoio ao Cliente Endividado) e podem procurar acordos com os bancos para melhorar a sua situação financeira. Estes acordos com os bancos podem ser através do PARI, que previne o risco de incumprimento, e o PERSI, para resolver situações em que o cliente já está em incumprimento.

O que fazer em caso de sobreendividamento?

Em caso de sobreendividamento deve agir antes de ter problemas com os bancos. A melhor solução é fazer um crédito consolidado, em que reduz até 60% as prestações e reduz o risco de acumular prestações em atraso ou ter problemas judiciais e de outra ordem por dívidas bancárias.

Fazer um crédito para pagar créditos é uma boa solução quando os moldes passam pela consolidação de créditos. Desta forma você consegue melhorar a sua saúde financeira e evitar entrar numa espiral de crédito que apenas aumenta os seus problemas bancários.

Poupe 60% nas prestações de créditos

Simular