[Guia] Como achar o melhor seguro automóvel em Portugal

O seguro automóvel é indispensável para poder circular em Portugal e no resto do mundo. E por isso é importante que todos nós saibamos algumas informações sobre qual é o seguro mais indicado que deve contratar. A oferta é tanta, que por vezes o consumidor tem dificuldade em escolher. 

De forma a simplificar esse trabalho, a Comparamais disponibiliza neste artigo as informações mais importantes que deve ter em conta na hora de contratar determinado seguro. 

Seguro Automóvel: qual é a sua utilidade?

O seguro automóvel funciona como um contrato entre o consumidor, que será o tomador de seguro e a seguradora. A obrigação de contratar o seguro recai sobre o:

  • Proprietário: quem tem a titularidade do veículo;
  • Usufrutuário: quem utiliza embora não o tenha adquirido;
  • Adquirente com reserva de propriedade: quem utiliza, comprou, mas ainda não o tem em seu nome;
  • Locatário: utiliza em regime de locação financeira;
  • Garagista: quem exerce uma função/atividade relacionada com o setor automóvel.

Para além de ser obrigatório subscrever um seguro automóvel, é também ele que nos protege de eventuais riscos financeiros relacionados com acidentes e reparações. Se o seu seguro não é válido, corre o risco de que o seu veículo seja apreendido. Para além da apreensão, terá de pagar uma coima entre 500 a 2.500 euros, considerada uma contraordenação grave.

Se não pagar o seu seguro automóvel também fica impedido de circular. Se tiver o azar de ter algum acidente, mesmo que a culpa não seja sua, sem ter o seu seguro em dia, não fica livre de ter de arcar com as responsabilidades e pagar indemnizações.

Quais os tipos de seguro que existem?

Seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel – seguro contra terceiros

É um requisito mínimo dos seguros automóvel e garante, em caso de acidente, que são asseguradas as indemnizações por danos materiais e corporais causados a terceiros e às pessoas transportadas, excluindo o culpado pelo sinistro. No entanto, existem certos aspetos que o seguro contra terceiros não vai cobrir:

– Lesões que o condutor responsável pelo acidente sofra;

– Compensação por danos no veículo culpado pelo acidente;

– Indemnização por todos os danos derivados de acidentes provocados de forma deliberada ou que negligentemente não respeitaram as normas de segurança rodoviária;

– Em cenário de carga e descarga, danos provocados a terceiros;

– Danos corporais em familiares, do condutor responsável, até terceiro grau ou que estejam a cargo dele;

– Sinistros ocorridos em provas desportivas.

Seguro de danos próprios – seguro contra todos os riscos

Em primeiro lugar, não existem seguros contra todos os riscos. Embora se tenha tornado comum esta denominação, o que é certo é que apenas fica garantido o que consta das coberturas contratadas. Sejam elas obrigatórias ou facultativas. Veja o que cobre o seguro de danos próprios:

–  Capital facultativo em responsabilidade civil superior ao mínimo obrigatório, assistência em viagem, ocupantes da viatura, privação temporária de uso, proteção contra atos maliciosos, roubo ou furto, proteção jurídica, cobertura de danos próprios, bagagens, quebra isolada de vidros, choque, colisão, capotamento, raio, explosão, incêndios, desastres naturais, veículo de substituição em caso de sinistro ou avaria, entre outras.

Os fatores a ter em conta na hora de escolher um seguro automóvel

São vários os fatores que influenciam o preço de um seguro. Para além do tipo de seguro que vimos anteriormente, existem outros fatores que também têm influência: idade, data da carta de condução, estado civil, concelho de circulação, número de sinistros com responsabilidade nos últimos anos, tipo de utilização do seu veículo, profissão, tipo de veículo, data de fabrico, extras incluídos, local de parqueamento, anos prévos com seguro, km que o veículo percorre anualmente, dispositivo antirroubo e outros equipamentos de segurança, curso de condução defensiva, número de pessoas que conduzem a viatura, e muito mais fatores. 

Como referimos no início deste artigo, escolher um seguro automóvel requere que saibamos que preços as companhias estão a praticar e saber o tipo de cobertura de seguro que necessitamos. Dessa forma, veja alguns conselhos úteis sobre para poupar na aquisição de um seguro automóvel:

  1. Pondere bem sobre o que realmente necessita, evitando coberturas desnecessárias. Especialmente no caso do seguro de danos próprios, convém ter perfeita noção do que está a comprar. O melhor seguro automóvel para outra pessoa pode não ser o mais adequado para si;
  2. Se está à procura de um seguro de responsabilidade civil foque-se maioritariamente no preço, porque as diferentes seguradoras oferecem este produto padronizado para atender aos requisitos regulamentares, incluindo algumas garantias como assistência em viagem, pessoas transportadas e quebra isolada de vidros, nos packs mais económicos;
  3. Se possuir mais do que um veículo, pode abrangê-los a todos na mesma seguradora ou combinar o seguro automóvel com, por exemplo, um seguro de saúde na mesma agência de seguros para ter acesso a uma redução no prémio;
  4. Pesquise as credenciais das seguradoras em que está a ponderar confiar o seguro automóvel;
  5. Se possível, pague o prémio de uma só vez, os fracionamentos apresentam encargos que encarecem o seguro.

Quais são os seguros automóveis mais baratos?

  • OK! TeleSeguro
  • Seguro Directo
  • N Seguros
  • Logo
  • Seguros Continente
  • ACP

Quais são as seguradoras tradicionais?

  • Allianz
  • Ageas
  • Generali
  • Liberty
  • Lusitânia
  • Mapfre
  • Millennium BCP
  • Real
  • Zurich
  • ACP

Qual a documentação que precisa ter consigo quando está a conduzir?

  • Documento legal de identificação pessoal;
  • Carta de Condução;
  • Documento Único Automóvel ou Livrete e Título de Registo de Propriedade do veículo ou documento equivalente (contrato de Aluguer de Longa Duração – ALD ou leasing);
  • Se necessário, certificado de Inspeção Periódica Obrigatória e respetiva vinheta colocada no canto;
  • Declaração para registo de dísticos (comprovativo do pagamento do Imposto municipal sobre veículos) ou Duplicado do Impresso de compra do selo municipal;
  • Documento comprovativo da existência do seguro: como a Carta Verde, o Certificado Provisório, o Certificado de Responsabilidade Civil ou o Aviso-Recibo com o respetivo comprovativo de liquidação;
  • Vinheta do seguro obrigatório automóvel, colocada no canto inferior direito interno da viatura;
  • Comprovativo do pagamento do Imposto Único de Circulação;
  • Exemplar da Declaração Amigável de Acidente Automóvel (DAAA).

Esperamos que este artigo lhe tenha ajudado a ficar com uma ideia mais clara de como deve fazer para contratar o melhor seguro automóvel para si, bem como, esclarecer potenciais dúvidas sobre o mundo dos seguros. 

Leia também:

Crédito, leasing, ALD ou Renting: qual escolher para financiar a compra do seu carro

Sabe quais são os carros que mais desvalorizam depois de comprados?