Saiba como ler o seu extrato bancário

Saiba como consultar o extrato bancário

O extrato bancário é um dos documentos mais importantes que deve sempre conferir, já que lhe apresenta as principais informações relativas à sua conta bancária.

Artigo atualizado a 03.09.2020

O que é o extrato bancário?

É um documento oficial do seu banco, que pode consultar online através do Homebanking ou através de e-mail. Pode ainda pedir à entidade para enviar o extrato bancário para a sua morada, em papel. O extrato bancário dá-lhe acesso a muita informação pessoal e como tal deve saber interpretar o seu extrato bancario.

O extrato bancário contém muita informação importante sobre as suas contas. Contudo, existem três coisas que deve sempre consultar e verificar se estão certas:

O saldo cativo

Este dado vem sempre no extrato bancário e diz respeito ao dinheiro que ainda não foi debitado na conta, mas vai ser em breve, porque já foi gasto. O saldo cativo mostra-lhe a diferença entre o “Saldo Disponível”, o que efetivamente tem para gastar, e o “Saldo Contabilístico”, relativo ao dinheiro que tem de momento na conta. Esta diferença é o cativo, um valor que está reservado para pagamentos já realizados mas ainda não debitados.

A consequência desse saldo cativo é um plafond mais baixo. Por isso é tão importante ter a certeza relativamente a esses pagamentos, confirmando se eles são reais, já que parte do dinheiro da sua conta está cativo à espera de ser debitado para essas despesas.

Entre os motivos para que surja saldo cativo na sua conta estão, por exemplo, transferências interbancárias, compras efetuadas pela internet com um cartão virtual, pagamentos efetuados fora de dias úteis ou operações para o estrangeiro.

Os débitos

No extrato bancário surgem dois tipos de informações: os débitos e os créditos. Basicamente, os créditos são as boas notícias (dinheiro que entra na sua conta), e os débitos são as más notícias (ou seja, o dinheiro que sai da conta).

Parece óbvio, mas muitas vezes não nos lembramos dos últimos três levantamentos de dinheiro que fizemos. Ou, em alturas como o Natal, tudo aquilo que foi pago com o cartão nas compras em loja. Para isso serve o extrato, que nos diz sempre quais foram os últimos movimentos de dinheiro.

Preste muita atenção aos débitos seja de um valor mais baixo ou mais alto e confirme se realmente foi você que fez esses movimentos. Caso encontre algum débito estranho no seu extrato bancário, informe-se junto do banco qual a sua origem, já que esta informação pode servir para o alertar que está a ser, ou foi, vítima de fraude.

Descoberto bancário

Corresponde a um adiantamento que o banco pode fazer sobre o seu salário para o mês seguinte. Em outras palavras, o banco garante um plafond adicional na sua conta que, de forma simples, pode ser considerado como uma linha de crédito permanente.

No extrato bancário também aparece o saldo a descoberto, caso o tenha pedido. Esta é uma informação muito importante que precisa de ter em atenção, para saber quanto ainda tem para gastar e também para garantir que não começou a usar o descoberto bancário sem se ter dado conta.

O seu extrato bancário pode-lhe ser pedido inúmeras vezes em várias situações, seja para fazer um crédito, para pedir um cartão, entre outras situações. É um documento importante que merece a sua atenção e por isso mesmo não deixe de fazer uma verificação dos três aspectos que mencionámos antes.

Existem dois tipos de descoberto bancário, por isso deve conhecer cada um deles para os reconhecer no extrato bancário.

Descoberto autorizado

Corresponde ao valor que o banco o autoriza a ter a conta negativa. Ou seja, pode continuar a fazer compras até um limite contratualizado com a entidade e sem que tenha de pagar depois uma prestação para o devolver. No entanto, são cobrados juros por este descoberto, que estão indexados à TAEG .

Descoberto não-autorizado

Esta é a situação mais grave, quando os seus pagamentos (por exemplo, com um cheque) passam a provisão da sua conta. Nesta situação o banco pode assumir o pagamento, mas depois irá cobrar juros mais elevados que no descoberto autorizado.

Uma alternativa para não chegar a esta situação passa pelo recurso a um cartão de crédito, em que pode gastar montantes mais elevados e depois ir pagando mais lentamente através de prestações bancárias.